Patagônia 9/11: El Chaltén

Ímã El Chaltén
FICHA TÉCNICA

Período: 01/04/2012 a 02/04/2012
Hotel: Hotel La Aldea (minha resenha no tripadvisor aqui)
Atração inesquecível: Cerro Fitz Roy
Transporte até a cidade: Ônibus desde El Calafate
Transporte na cidade: Pé!

El Chaltén é um povoado dentro do Parque Nacional los Glaciares. A cidadezinha foi fundada como base para as trilhas para os Cerros Fitz Roy e Torres dentro do Parque, e é considerada a capital do trekking da Argentina. Pra mim deveria ser considerada a capital do vento, nunca vi uma coisa daquela. Venta muito, o tempo todo, até cansa!

Tem trilha pra uma semana de andança, mas claro que não queríamos andar tudo isso… Só ver o Fitz Roy mesmo. Mas como ele fica encoberto a maior parte do tempo, achamos melhor dormir uma noite lá, para ter mais chance de vê-lo. El Chaltén significa “a montanha que fuma” na língua indígena, para terem uma ideia de como ele está sempre escondido.Saímos de El Calafate no ônibus das 9h (acho), e foram cerca de 3h de viagem. Pegamos a empresa “El Chaltén Travel”, e depois descobrimos que a mais pra direita vendia passagem mais barata. Mas o ônibus era bom, e o motorista parava na estrada em um mirante do Fitz Roy que, claro, estava encoberto.

Estrada El Chaltén
Ali o danado escondido !
Trilhas de El Chaltén

Trilhas de El Chaltén (Fonte: www.southroad.com.ar)

Na chegada, o ônibus para num posto da guarda florestal, e todo mundo tem que descer para ouvir as instruções sobre as trilhas e sobre prevenção de incêndios. Quem vai fazer escalada tem que se registrar.

Chegamos ao hotel, ao lado da rodoviária, deixamos as malas e fomos almoçar em um restaurante na pracinha em frente, que não me lembro o nome, mas era bom e barato. Pegamos o mapinha, e escolhemos as trilhas da tarde e do outro dia de manhã.

A ideia era pegar trilhas de no máximo 4 horas ida e volta, já que teríamos só uma tarde e uma manhã na cidade. Quando vi as classificadas como fáceis, fiquei toda corajosa! Mal sabia eu…

Escolhemos as trilha do Lago Capri, por ter um mirante do Fitz Roy, e a Lago Torre – Camping Poincenot, pelo mirante para o Cerro Torre no caminho.

Depois do almoço, saímos esperando que o tempo maluco da Patagônia mudasse para vermos a montanha. Atravessamos a cidade até o início da trilha, marcada pelas placas de sinalização. É tudo muito bem organizado, não precisa mesmo de guia.

Logo depois desta plaquinha, já deu pra perceber que a classificação das trilhas é para os fortes. Como assim fácil se eu tenho que subir uma montanha? Reformulei a classificação do mapa de “Muy Fácil”, “Fácil”, “Médio” e “Difícil” para: “Canseira”, “Aguenta Firme”, “Melhor não”, e “Impossível”!

(Pessoal, não se assustem, é que a gente não é lá muito preparado. Todo mundo ultrapassava a gente nas trilhas, inclusive um chinês carregando uma mochila e um menininho de 3 anos nas costas, e ensinando o moleque a falar “Argentina!”)

O começo da trilha tinha uma bela vista do vale do Rio das Voltas, mas foi a pior parte. Era uma subida e, na curva do morro, ventava um absurdo! Dava medo de escorregar montanha abaixo por causa daquele vento todo. Rolou uma discussão pela desistência, mas continuamos, e depois dessa curva começava a mata e ficava bem mais tranquilo.

trilha ao Fitz Roy vale do Rio das Voltas

Placa explicativa sobre a trilha ao Fitz Roy, e vale do Rio das Voltas (clique nas fotos para ampliar!)


Chegamos ao mirante e… nada. Tava tudo nublado ainda ! Que droga. Mas a vista deve ser lindíssima (saca só a foto do wikipedia), vou ter q voltar lá um dia. Gastamos as 4h previstas para ir e voltar.

mirante do Cerro Fitz Roy Lago Capri

“Vista” do mirante do Cerro Fitz Roy, e Lago Capri (clique nas fotos para ampliar!)


No outro dia, acordamos cedo pra ver as cores do nascer do sol no Fitz Roy. Desta vez, deu tudo certo! O tempo estava limpo, e deu pra ver tudo sem sair do quarto do hotel. Uma vista magnífica!

Fitz Roy ao nascer do sol
Fitz Roy ao nascer do sol.

Arrumamos as malas, desocupamos o quarto e partimos para a trilha do mirante para o Cerro Torre. A sacanagem desta trilha é que ela já começa no alto do morro! Aí até você chegar na parte “muy fácil” já foi uma canseira. 🙂 Mas nesta venta bem menos que na anterior, então foi realmente mais tranquilo.

Depois de quase uma hora de caminhada, chegamos ao mirante, e desta vez (quase) toda a beleza do vale estava lá aos nossos pés. Só fomos até o mirante, porque não ia dar tempo de pegar o ônibus, mas dá pra chegar bem mais perto. Foi 1h30 para ir e voltar.

mirante do Cerro Torre
Vista do mirante do Cerro Torre e dos Glaciares Grande e Torre.

Conclusões:
– Vale a pena a viagem para El Chaltén para ver os Cerros Torre e Fitz Roy, que são muito bonitos mesmo. As trilhas até o mirante exigem um preparo mínimo, mas dá pra fazer.
– A tática de dormir lá pelo menos um dia também foi acertada, pois tivemos mais chances de ver o Fitz Roy descoberto. Dá pra vê-lo da cidade toda, já o Cerro Torre tem que fazer a trilha pra ver.
– Nos arrependemos um pouco de não ter marcado o ônibus para mais tarde, e continuar mais um pouco na trilha do Cerro Torre. Não tinha nada de mais interessante para fazer em El Calafate para termos ido embora mais cedo.

Ah! Se alguém for pra lá, por favor, procure meu cachecol azul que o vento levou 🙂

Veja tudo sobre a Patagônia no Colecionando Ímãs em: Patagônia – Índice de Posts.


Faça suas reservas com nossos parceiros pelos links abaixo
e deixe uma comissão pra gente!

    sleeping-bed-silhouette Escolha seu hotel no melhor site de reservas: Booking.com
    medicine-briefcase-1 Viaje tranquilo com um seguro de saúde: Mondial Assistance
    american-dollar-symbol-1 Peça dólares e euros que eles entregam em casa: Cotação
    sports-car-1 Alugue o carro pra sua road trip: Rent Cars
    park-tickets-couple-1 Compre os ingressos pras melhores atrações: TicketBar

13 comentários sobre “Patagônia 9/11: El Chaltén

  1. Thaís

    Oi, vi seu comentário no blog do Ric Freire e vim aqui bisbilhotar sua viagem!! hehehe
    Fiz uma viagem parecida em janeiro de 2011, mas dei muita sorte em El Chalten (que foi o lugar que eu mais gostei)!!

    Recomendo que volte em janeiro para ver paisagens como essas:
    http://www.flickr.com/photos/59256199@N08/5421093073/in/photostream
    http://www.flickr.com/photos/59256199@N08/5421703860/in/photostream/
    http://www.flickr.com/photos/59256199@N08/5421695400/in/photostream/

  2. Camila

    Nossa, Thaís, suas fotos são deslumbrantes! Que sorte que tava esse tempo lindo, acho que em janeiro deve ser melhor de ir.
    Mas sou meio mole pra trilha, por isso não fiquei muito tempo. Quem sabe um dia crio coragem… Essas fotos são uma grande motivação !
    Você foi pra Torres del Paine também? Achei mais bonito que El Chaltén, isso porque tava super nublado.
    Volte sempre, semanalmente estou publicando novidades.

  3. Andressa

    Olá, Camila, só não entendi uma coisa, essas trilhas que fizeram em El Chaltén vcs foram sozinhos ou foi um passeio guiado?
    Obrigada
    Andressa

  4. Camila Torres

    Oi Andressa,
    Fomos sozinhos ! Não precisa de guia nas trilhas de Chaltén. Se você for escalar, tem que avisar os guardas do parque.
    Obrigada pela visita, volte sempre!
    Camila

  5. Andressa

    Camila,
    Só mais uma coisa, precisa alugar um carro ou vc va a pé desde o hotel??
    Queríamos ir a Laguna Los Tres e Glaciar el Huemul.
    Obrigada
    Andressa

  6. Mara Rodrigues

    Lugar maravilhoso, fui de carro com meus tres filhos e fizemos quatro dias de treking dentro do parque ,com sorte nos pegamos uma trilha com lugares que jamais esqueceremos ,alias a viagem toda foi incrivel .

  7. Arthur

    Visitamos El Chaltén, em dezembro de 2016, e foi a cidadezinha de nossa viagem que mais gostei. Ao pé de um conjunto de montanhas lindíssimo. Valeu a pena! Dormimos duas noites ali. Essa escolha foi importante, pois pegamos tempo nublado.

    Em um dos dias, o sol resolveu mostrar sua face, e fizemos a trilha até o Fitz Roy. Como anoitecia por volta das 22h30, saímos perto das 11h e retornamos às 21h30! As trilhas estavam bem sinalizadas e encontramos muitos turistas, principalmente estrangeiros, indo e vindo a todo momento. Mais de 10h de passeio, entre subidas e descidas, paradas para recuperar o fôlego e um bom tempo para admirar toda a beleza do Fitz Roy, lá na sua base. Lago, neve, glaciar… De tudo um pouco. E no caminho dá para ir enchendo o cantil nas águas do degelo da montanha.

    Utilizamos várias dicas do blog. Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *